sábado , 16 dezembro 2017
Dormir não precisa ser um problema

Dormir não precisa ser um problema

Você tem insônia? Sim?! Se você tem problemas para dormir: quando deita, rola na cama e não consegue relaxar,  geralmente sendo bombardeado por pensamentos diversos, vale a pena ler essa entrevista realizada pelo Dr. Drauzio Varella…
Distúrbios do sono

O entrevistado é o Dr. Maurício Bagnato, médico, ex-presidente e atual secretário da Sociedade Paulista de Medicina do Sono e trabalha no Laboratório do Sono da do Hospital Sírio-Libanês e do Instituto do Sono da UNIFESP – Universidade Federal do Estado de São Paulo, a Escola Paulista de Medicina.

Embora insônia seja a queixa mais freqüente dos portadores de distúrbios do sono, num primeiro momento o ronco e a apnéia costumam ser notados mais pelo parceiro que divide o mesmo quarto do que pelo o paciente. No entanto, grandes roncadores e apnéicos podem desenvolver alguns problemas de saúde que requerem atenção e tratamento especializado.

Drauzio – Que conselho você dá às pessoas que se deitam e dormem, mas acordam no meio da madrugada e não conseguem dormir novamente?

Mauricio Bagnato– Todos conhecemos pessoas que só dormem sob efeito de medicação e, assim mesmo, não têm um sono repousante, porque criam tolerância aos remédios. Migram de médico em médico em busca de alívio, mas pouco conseguem.
Em vista disso, nos últimos congressos, um deles realizado em São Paulo, destacou-se a importância de lidar com a parte comportamental da insônia. A tendência atual é recorrer a acompanhamentos psicológicos, porque há pessoas que dormem mal porque são ansiosas ou depressivas e, basta colocarem a cabeça sobre o travesseiro, para começarem a remoer os problemas para os quais não vislumbraram solução durante o dia. Com isso, a estrutura do sono fica danificada e a qualidade de vida comprometida.
Além desse tratamento, existem alguns hábitos que, se desenvolvidos, podem beneficiá-las.
Primeiro: a cama foi feita para dormir e para a relação sexual, que é relaxante, sem dúvida. Muita gente, no entanto, come na cama e assiste à televisão deitado. Há quem diga, até, que ver tevê ajuda a dormir. Não ajuda. Você pode cochilar, mas não adormece profundamente. Vez ou outra desperta e procura recompor as cenas perdidas. Quem quiser assistir à televisão, fique na sala. O sono chegou, vai para o quarto, apaga a luz, deita e dorme;
Segundo: exercícios físicos vigorosos são estimulantes. Portanto, é contra-indicado praticá-los à noite;
Terceiro: refeições próximas à hora de deitar podem provocar refluxos gastroesofágicos que atrapalham o sono. Evitá-las é uma boa sugestão.

Drauzio- Café e refrigerantes também são contra-indicados?

Mauricio Bagnato- Não só o café e os refrigerantes, principalmente as colas, mas o chá preto e o chá mate, que contêm cafeína também, prejudicam o sono. Para se ter uma idéia, o tempo médio de permanência da cafeína no sangue é de 8 horas. Brasileiro está acostumado a tomar café o dia tempo todo. Conseqüentemente, os cafezinhos do fim da tarde e do começo noite deixarão resíduos que podem atrapalhar o sono de madrugada.

Drauzio- Tem gente que garante não sentir efeito algum do café em relação ao sono.Como você explica isso?

Mauricio Bagnato- A sensibilidade muda muito de indivíduo para indivíduo. Nada garante, porém, que não haja prejuízos. Se não tivesse tomado café, provavelmente o sono seria mais profundo, mais consolidado, teoricamente com menos fragmentação. O mesmo ocorre com o álcool. Quantas pessoas não afirmam que um drinque ajuda a induzir o sono. Apesar de alguns cientistas defenderem essa hipótese, na verdade, o álcool quebra a arquitetura normal do sono.
Recapitulando: evitar café, álcool e exercícios físicos puxados à noite e ir para a cama apenas na hora de dormir são pequenas dicas que somadas, entretanto, podem produzir efeitos razoáveis, se a pessoa não apresentar outros problemas que exijam tratamento específico. Se, por exemplo, o paciente queixar-se que mal adormece e já começa a roncar tão alto que desperta com o ruído ou com o esforço que o ar exige para conseguir vencer a resistência da faringe.
Fonte:

Palavras-chave: distúrbios do sono; insônia; dificuldades para dormir; dificuldades para relaxar; hábitos alimentares

 

Tatiana Berta

Psicóloga e Psicoterapeuta Comportamental e Cognitiva

CRP Principal (06/93349)

CRP RS (07/20139)

Fone: (11) 8254.6237

Atendimentos em São Paulo: Rua Bela Cintra, 968, cj. 32 (Metrô Consolação, próximo à Av. Paulista)

 

 

O conteúdo do artigo é  informativo e não substitui a consulta com um Psicólogo.


 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>