sábado , 18 novembro 2017
Como lidar com a proximidade das provas e concursos?

Como lidar com a proximidade das provas e concursos?

Sempre ouvimos que a expectativa é a “mãe” da frustração. No entanto, como não criar expectativas quando desejamos muito que algo aconteça?

Tenho recebido e acompanhado, ao longo de minha experiência clínica, candidatos com todo potencial para aprovação sofrendo com reprovações, por vezes, recorrentes, em concursos, vestibulares, exames de proficiência e tantas outras provas a que nosso conhecimento teórico-prático precisa ser submetido. Muitos, após terem lançado mão de possibilidades conhecidas (cursinhos, técnicas para estudo, memorização etc), passam a questionar-se se este é realmente o seu desejo, buscando argumentos para desistir. Embora nem sempre desistir seja algo ruim (pode ser funcional, em alguns casos), lidar com a frustração por não ter conseguido nem sempre é algo fácil.

Vivemos em uma sociedade em que as cobranças começam cada vez mais cedo, afinal precisamos nos “diferenciar”, sobretudo quando oportunidades não são oferecidas em larga escala. Aprendendo a “disputar” desde muito cedo, por vezes, não nos damos conta das distorções que passamos a criar, ao começarmos a acreditar que “perder” ou não receber algo (como a aprovação) que desejamos é necessariamente ruim. Aprendemos a ter comportamentos imediatistas que, por vezes, são acompanhados de sofrimento, e não nos damos conta de que, dificilmente, os resultados dependem somente do esforço individual. Para que um projeto funcione, seja passar no vestibular ou qualquer outro, é necessário que inúmeras variáveis colaborem e, nem sempre reconhecemos esta necessidade, acreditando que podemos “dar conta” ou solucionar tudo. Tal reconhecimento é fator fundamental, uma vez que, muitas vezes, somos levados a desistir, desacreditando em nossas próprias capacidades, quando poderia haver aprendizado e, até mesmo, ganho em  desenvolvermos meios para lidar de forma diferente com as dificuldades.

Um primeiro passo para a superação do sofrimento relacionado a um processo de aprovação reside na necessidade de reconhecermos as dificuldades inerentes à trajetória percorrida, bem como de nossas próprias necessidades. Obstáculos são situações naturais na vida e não necessariamente precisam ser vistos como ameaças ou limitações: muitas vezes são apenas sinalizadores da necessidade de mudanças para o alcance de melhores resultados. O reconhecimento de como nos comportamentos em situação de ansiedade é também um importante fator a ser considerado na busca de melhores resultados. Quando estamos “sob controle” de grande estresse, nem sempre é possível conseguirmos nosso melhor, uma vez que todo nosso funcionamento está direcionado para reações básicas de sobrevivência, como as de “luta e fuga”.

Por fim, um planejamento bem feito, ou seja: viável de execução, se torna essencial para que o rendimento seja adequado à finalidade. Muitas vezes, o auxilio terapêutico é bem-vindo tanto para a compreensão de nosso padrão comportamental quanto para o manejo prático das questões do cotidiano que facilitarão uma melhor organização em busca da tão desejada aprovação.

Tatiana Berta

Psicóloga e Psicoterapeuta Comportamental e Cognitiva

CRP 06/93349

São Paulo/SP

O conteúdo do texto é informativo e não substitui a terapia realizada em consultório.