sábado , 18 novembro 2017
Desilusões amorosas: como lidar?

Desilusões amorosas: como lidar?

Psicólogo e Psicopedagogo Paulo Sergio Estevam, em entrevista para a jornalista Bianca site Vila Mulher Portal Terra

Trabalhar pode ajudar a superar uma desilusão amorosa?

Psicólogo : Se por desilusão amorosa entendermos o término de um relacionamento, podemos pensar que não ajudará a superar, porém poderá ajudar a “sair um pouco”, a “não pensar” na situação que está causando sofrimento – como se fosse uma compensação, uma   substituição de algo que está nos faltando naquele momento. Todo relacionamento amoroso vai sendo construído   aos poucos,   baseado em troca mútua, em promessas, em momentos de carinho e cumplicidade – é o que se pode chamar de reforçamento – o casal vai constantemente reforçando o comportamento do outro e, ao mesmo tempo sendo reforçado por ele – a consequência é o bem-estar que sentem quando estão juntos. No momento em que um dos dois interrompe esses reforçamentos, o outro não sabe bem como agir, fica confuso e sem parâmetros do que está acontecendo com a   relação, e, sem o outro não poderá ir muito longe. Então aí acontece o rompimento, a separação, e também uma grande desilusão em relação ao outro, que até o momento havia sido tão presente e tão disposto. Algumas pessoas nesse momento podem   “mergulhar” em outros comportamentos – como o de trabalhar em excesso – pois aí nesse momento, talvez, o fruto de seu trabalho (as consequências ) digamos, é o que passa a ser reforçador e interessante – nada além disso, e quanto mais a pessoa vai produzindo, mais vai se sentindo recompensada. Ela começa então a emitir outro comportamento , o de trabalhar   por exemplo, com   a mesma função – o prazer e a satisfação pessoal.

Provavelmente esse comportamento de buscar recompensas/reforçadores em algo outro que não seja mais a relação amorosa, e sim o trabalho, se aplique a muitas pessoas, e talvez seja funcional por um determinado período de tempo. Podemos pensar que a “propensão” de cada pessoa dependa também do quanto ela investia na relação que terminou, do quanto ela reforçava e era reforçada pelo parceiro, bem como o quanto o ambiente no qual ela está inserida irá proporcionar essa possibilidade, ou seja, isso dependerá também do quanto a pessoa gosta do seu trabalho e do quanto se sente valorizada, recompensada por ele.

Trabalhar também  poderia ser somente uma forma de fugir do problema?

Psicólogo : Poderia ser uma forma de tentar manter a mesma sensação de prazer, de bem-estar que tinha quando estava ainda vivendo a relação amorosa – uma manutenção daquele reforçamento com a qual estava habituada, bem como evitar o desconforto que a privação desses reforços pode causar. Provavelmente não se trate de uma fuga, mas sim de uma forma de esquivar-se dos sentimentos aversivos que a ausência de reforçamento do parceiro esteja lhe causando.

Procurar “viver” essas situações e aprender com elas?

Psicólogo : Esse comportamento de entregar-se demasiadamente ao trabalho não deixa de ser uma maneira de não confrontar-se com a situação, evitando-a.

De qualquer maneira o indivíduo acaba vivendo a situação “fugindo ou não”. De acordo com o Behaviorismo de B.F. Skinner, o homem age no mundo modificando-o, e ao mesmo tempo é modificado pelas consequências de seu comportamento. Esse trabalho em excesso trará consequências reforçadoras para a pessoa, porém há que se pensar no que aconteceu, ou no que foi acontecendo durante a relação que gerou essa mudança de comportamentos levando ao término da relação e à desilusão amorosa. Sem buscar compreender esses fatos ficará difícil superar o desapontamento e normalizar a vida cotidiana, podendo então buscar reforçadores outros que não seja somente o trabalho.

 

*Consultas com o Psicólogo e Psicopedagogo Paulo Estevam poderão ser agendadas também pelo email paulo.estevam.psi@gmail.com ou telefones 98213.1941 (OI) e 95424.4920 (Tim)

Atendimentos em São Paulo (Metrô Santa Cruz)